Bola

Dries Mertens: os golos não se medem em centímetros

O belga começou a jogar a ponta de lança para safar o Nápoles e nunca mais parou de marcar golos.

Na época passada passou de extremo para ponta de lança no Nápoles. Devido à lesão de Milik, Dries Mertens em outubro de 2016, arrancou para um impressionante registo goleador, depois de marcar diante do Benfica. Esta época mantém a média de quase um golo por jogo.

Dries Mertens, de 30 anos, tem sido um dos grandes destaques de um Nápoles que segue invicto no comando da Série A italiana, com sete vitórias em sete jogos. Aos 30 anos, vive o melhor período da carreira como ponta de lança. Isto apesar de ter apenas 1,69 metros de altura.

Com nove golos em 11 jogos esta temporada, tem sido o grande goleador do Nápoles, à semelhança do que já sucedera na época anterior,  que terminou com 34 golos em jogos oficiais. Quem, no início da temporada de 2016/17, se atrevesse a dizer que o belga iria marcar mais do que Gonzalo Higuaín, que se transferira dos napolitanos para a Juventus, poderia ser apelidado de louco, mas foi isso mesmo que aconteceu.

Além de marcar golos numa quantidade apreciável, o internacional belga é conhecido pela sua técnica, como se viu na vitória em casa da Lazio por 4-0. Aproveitando o facto de o guarda-redes Thomas Strakosha se encontrar adiantado, fez-lhe um magnífico chapéu, sem hipóteses de defesa.

Um gesto que deixou encantado o seu treinador, Maurizio Sarri. “Marcou um golo incrível e está a melhorar a cada jogo, tornando-se num futebolista de classe mundial. O meu desejo é que ele seja um animal com fome de golos e só tive pena de o descobrir como ponta de lança na época passada, devido à lesão do Milik. Já poderia ser um ponta de lança de topo há muito tempo!”, disse à imprensa italiana.

Formado no Anderlecht, Mertens foi dispensado pelo maior clube belga na transição dos juvenis para os juniores, altura em que passou a representar o Gent. Chegado a sénior, sem espaço no plantel do Gent, foi emprestado ao Eendracht Aalst, da segunda divisão belga, onde marcou 4 golos em 14 jogos. A vida não estava fácil para o jovem Mertens, então com 20 anos, tendo sido de novo emprestado a uma formação do segundo escalão, o AGOVV Apeldoorn da Holanda. Depois de uma primeira época discreta, começou a brilhar ao marcar um total de 29 golos nas duas temporadas seguintes, transferindo-se posteriormente para o FC Utrecht, onde manteve o bom nível.

Veia goleadora começou no Estádio da Luz

Entre 2011 e 2013 foi uma das grandes figuras do PSV Eindhoven, chegando a Nápoles no início da época 2013/14, onde tem sido super útil. Cumpriu mais de 40 jogos por época. Ao todo, já marcou 76 golos como napolitano, sem esquecer que só em outubro do ano passado é que passou de extremo para ponta de lança, o que o ajudou a pulverizar o seu registo goleador. Já faturou em 34 ocasiões durante 2016/17.

Curiosamente, foi num jogo disputado no Estádio da Luz que a vida mudou para o internacional belga. Lançado na segunda parte, fez o segundo golo na vitória do Nápoles por 2-1. Foi titular nos dois encontros seguintes, nos quais apontou sete golos. Nunca mais deixou de marcar até ao final da temporada, tendo terminado com uns impressionantes 28 golos na prova, o mesmo número de encontros em que foi titular. Foi o segundo melhor marcador da competição, só superado por Edin Dzeko, da AS Roma.

Por enquanto, Mertens mantém-se em Nápoles, apesar de ter sido fortemente cobiçado por clubes chineses no início deste ano. “Não me atrai. Ofereceram-me bom dinheiro e pensei nisso durante um dia, mas recusei. Há imensa poluição e a comida ia ser um problema. Os futebolistas dizem que vão para a China porque procuram novas experiências, mas só o fazem porque são muito bem pagos”, referiu na altura.

Inter Milão, Manchester United, Chelsea, Liverpool, West Ham, Everton e,especialmente o Real Madrid, foram clubes europeus alegadamente interessados em Mertens, que por enquanto se mantém fiel ao Nápoles. O presidente dos napolitanos, Aurelio De Laurentiis, descarta a saída do futebolista de 30 anos para Madrid.

“Mertens pode ser o nosso Cristiano Ronaldo e o dinheiro que outros podem oferecer, nós também poderemos colocar na mesa. Será que o melhor caminho para ele é partir?, questionou, em declarações à “Gazzetta dello Sport”.

Outros artigos de Bola

Últimos artigos da 4MEN