bola

Mats Magnusson: “Os meus filhos viram-me bêbedo, é a minha maior vergonha”

A biografia do histórico avançado sueco do Benfica conta histórias incríveis da sua luta contra o alcoolismo.

Um dos maiores ídolos de sempre do Benfica.

Mats Magnusson brilhou no Benfica nos anos 80 e 90, mas o final da sua carreira foi o início do descalabro da vida pessoal. Na mais recente biografia do antigo avançado sueco são revelados episódios arrepiantes da luta de Magnusson contra o alcoolismo. O livro, escrito pelo jornalista e amigo Marcus Birro, chama-se “Mats — O Regresso do Inferno”.

Em entrevista à imprensa sueca, Magnusson revelou algumas dessas histórias inéditas. Uma delas envolve o regresso ao relvado do Estádio da Luz, durante um jogo amigável entre os amigos de Zidane e antigas glórias benfiquistas. O problema? O avançado sueco entrou em campo completamente embriagado.

“Aquele jogo contra Zidane… é terrível pensar nisso. Foi demasiado. Estava bêbedo no relvado e a primeira coisa que fiz quando entrei foi cair. Foi uma viagem de um fim de semana e eu comecei a beber logo no avião. Não estava muito bêbedo, só um pouco. Lembro-me de cair quando estava a entrar no autocarro que nos levava do avião ao terminal. Fiz uma grande ferida na perna e demorou muito a cicatrizar”, conta.

Ainda assim, este não foi o pior momento da sua vida, como revelaria mais tarde nessa entrevista.

“Nunca me vou esquecer do dia em que fui ver um jogo de hóquei do Sebastian [filho mais velho] em Skellefteå. Ele puxou-me para o lado e disse-me: ‘A partir de agora, não quero que venhas aqui depois de te embebedares, pai’. O pior de tudo foi o que fiz aos meus filhos. Eles viram-me bêbedo, é a minha maior vergonha”.

E continua: “Podia beber muito e não ficava agressivo ou desagradável. Divertia-me. Mas depois comecei a beber cada vez mais e acabei a beber sozinho. Escondia-me dos outros para me poder enfrascar à vontade. Não queria saber o que bebia, tudo o que via era a percentagem de álcool. (…) Podia pegar numa garrafa de uísque e bebê-la de um golo”.

Hoje, com 54 anos, Magnusson revela que deixou o álcool de vez, emagreceu e apaixonou-se por uma brasileira chamada Waldenice — de quem tem um filho de cinco anos, Benjamin.

Com mais ou menos histórias embaraçosas, Mats Magnusson será sempre recordado pelos golos que marcou em Portugal.

Outros artigos de Bola

Últimos artigos da 4MEN

Queremos ser seu amigo no Facebook. Pode ser?