Bola

Ronaldinho: “Mandava o Messi buscar-me água”

Terminada a carreira, o antigo melhor do mundo recordou os tempos do Barcelona e do nascimento de outra estrela: Lionel Messi.

Antes de Ronaldo e Messi disputarem entre si o título de melhor do mundo, havia Ronaldinho Gaúcho e todos os outros. O craque brasileiro que venceu por duas vezes o prémio de melhor do planeta, terminou a carreira em janeiro. Esta semana, numa entrevista ao canal do YouTube “Desimpedidos”, o Bruxo falou dos melhores e piores momentos da sua vida no futebol, mas também do privilégio que foi acompanhar o nascimento de Messi no Barcelona.

“Sempre fomos muito amigos desde o início. Ele era muito jovem e nós já tínhamos alguma experiência. Andava muito comigo, com o Deco, o Sylvinho, e depois acabou mesmo por ir viver na minha rua. Era uma amizade muito boa”, disse.

Messi afirmou em tempos que Ronaldinho era um dos seus ídolos – a par de Pablo Aimar –, mas que nunca se sentiu intimidado com antigo internacional brasileiro.

“Ele era bastante tímido e eu dizia-lhe ‘podes vir ter connosco, ficar à vontade, vai buscar-nos água’ (risos). É o habitual gozo do balneário mandar o mais novo trazer um café”, referiu.

Ronaldinho e Messi são, sem grande margem para dúvidas dois dos maiores números 10 do Barcelona. Aliás, o brasileiro admite que teve a “sorte de fazer o primeiro passe para golo” do argentino. “Quando eu cheguei todos falavam dele. Nós jogávamos às 16 horas e eles às 14 no campo do lado. Nós víamos o Messi a jogar e percebemos que ele diferente”.

Quando questionado sobre qual o melhor, houve dúvidas, mas a resposta caiu sobre o argentino.

“Por tudo o que fez, acho que o Messi. Acho que ele está a marcar uma época como eu marquei nos meus tempos, como o Romário fez nos tempos dele. Mas o bonito do futebol é isso, é não haver comparações, cada um ter feito bem na sua época. Eu tenho consciência que fiz bem na minha época e ele sabe que está a fazer tudo bem”.

Outros artigos de Bola

Últimos artigos da 4MEN

Queremos ser seu amigo no Facebook. Pode ser?