Máquinas

8 truques para deixar de ser um totó a tirar fotos com o smartphone

Não é só carregar no botão. É preciso saber posicionar-se, usar a luz a seu favor e seguir as regras de ouro.

Nunca, em momento algum da história da humanidade, existiram tantas câmaras fotográficas. E por cada câmara, seja ela profissional ou de um smartphone, existe um potencial fotógrafo. E neste caso há duas espécies distintas: aqueles que têm um jeito inato para a arte; e os nabos. É precisamente para os que precisam de tirar cem fotos para conseguir tirar a foto mais ou menos perfeita que se dirige esta espécie de guia para totós.

Não lhe vamos dizer para descarregar esta ou aquela aplicação. E também não vamos insistir para que aprenda a usar aquela funcionalidade esquisita que quase ninguém sabe para que serve. Para começar a tirar boas fotografias só precisa de um ou dois truques, um smartphone e muita vontade. E, vá, um pouquinho de jeito.

Antes de pensar em comprar aquele novo smartphone com uma câmara incrível, tome nota destas dicas valiosas.

Não faça zoom

A maior parte dos zooms das câmaras dos smartphones não têm uma grande qualidade. São, na sua maioria, zooms digitais e não óticos, ou seja, têm um alcance focal diferente. Aquilo que vai acontecer é que sempre que faz zoom, a câmara vai aumentar artificialmente os pixels na imagem e, inevitavelmente, perder qualidade no resultado final. Isto só não se verifica nas duplas-câmaras e apenas quando uma delas é de longo alcance. Portanto, a não ser que tenha uma dupla-câmara, mais vale recortar a imagem depois e evitar o zoom no momento de tirar a foto.

Esfregue, esfregue, esfregue

Parece um conselho básico, mas nem imagina quantas fotografias se perdem por causa de uma lente suja. Se quer mesmo tirar uma fotografia perfeita, certifique-se sempre que a lente está devidamente limpa e sem sujidade que possa interferir com o resultado final. Para limpar poeiras e areias que estejam à superfície, deve usar um pincel macio para não estragar a lente. Por outro lado, se quiser fazer uma limpeza mais a fundo, deve utilizar líquidos próprios para o efeito. Soluções caseiras como álcool acabam por demorar a secar e provocam manchas.

Tenha cuidado com o flash

Ao contrário do que muitos pensam, o flash não é um recurso assim tão útil. É preciso saber usá-lo, caso contrário corre o risco de criar uma sombra na imagem ou, quando existe uma bonita paisagem por trás do alvo, arruiná-la por completo. Isto acontece porque a mecânica do flash só ilumina o primeiro objeto que surge mais próximo da câmara, ou seja, o brilho da luz vai iluminar apenas um ponto e deixar o resto ainda mais escuro do que já estava. Resultado? Uma fotografia perdida.

Escolha a hora perfeita

Há horas mais propícias do que outras para conseguir tirar uma boa fotografia – e não estamos apenas a falar só da golden hour ao fim de tarde, ok? O sol brilha mais forte entre o meio-dia e as quatro horas e, portanto, a câmara vai absorver demasiada luz, o que pode queimar a imagem, deixando-a demasiado branca ou com contrastes demasiado vincados. A melhor altura para captar imagens será quando o sol está mais próximo do horizonte. Assim tem luz suficiente para fotografar, fica com menos sombras e cores mais agradáveis.

Utilize a luz a seu favor

Vale a pena repeti-lo sempre que há oportunidade: a luz é crucial para uma boa fotografia. Para evitar que a imagem fique escura, o melhor é colocar o objeto central numa posição favorável para receber a luz, ou seja, se se tratar de um retrato, por exemplo, nunca a coloque de costas para o sol – e, por conseguinte, nunca fotografe de frente para ele.

A contra-luz é (quase sempre) a sua inimiga

Já todos vimos fotos de silhuetas escuras, delineadas por uma luz forte ou pelo sol, cuja fonte está sempre atrás do objeto que fotografamos. É a isso que chamamos contra-luz. Embora alguns profissionais a saibam usar de forma exímia para criar fotografias diferentes e originais ela é, por norma, um efeito indesejável na maioria dos casos.

Use e abuse do HDR

É uma funcionalidade que já está presente na maioria dos smartphones. Parece complicado, mas não é. Só tem que a ativar e comparar as melhorias. O que é que isto permite? De cada vez que tira uma fotografia, a máquina capta dezenas de imagens, cada uma com níveis de luminosidade diferentes, que depois são conjugadar para compôr o resultado final que é, como seria de prever, bastante mais nítido e bonito do que uma imagem captada em modo normal.

Foto à esquerda sem HDR e à direita com HDR.

Aprenda a utilizar a regra dos três terços

Não, não vai ficar de penitência nem vai ter que rezar três vezes o terço. A regra é bem mais simpática – e útil. A velha regra da fotografia divide a imagem em nove quadrados diferentes, divididos por duas linhas na vertical e duas na horizontal, todas à mesma distância umas das outras. Os fotógrafos profissionais conseguem fazê-lo a olho, mas felizmente para os totos da fotografia, que os smartphones incluíram a grelha nas suas aplicações.

Como é que surgiu esta regra? Diversos estudos comprovam que quem olha para uma imagem, foca-se imediatamente nos pontos de cruzamento das linhas. E é precisamente aí que devem estar os diversos elementos que compõem a imagem, ou melhor, a composição. Um exemplo: está a tirar uma fotografia a um pôr do sol? Certifique-se que o horizonte está devidamente alinhado com um dos separadores horizontais. Depois, é uma questão de ir jogando com a composição. Assim que dominar a regra, já pode fazer como os profissionais: quebre-as em grande estilo, afinal, elas foram criadas para serem quebradas.

 

Outros artigos de Máquinas

Últimos artigos da 4MEN