Máquinas

O novo Porsche 911 vai ser o mais potente de sempre – e já há imagens

Pouco se sabe sobre a nova reencarnação do 911, mas tudo indica que vai ser mais potente e igualmente bonito.

O Porsche 911 é um dos carros mais populares da marca alemã desde a sua criação em 1963 e a sua última versão foi lançada em 2012. Felizmente, a Porsche não ficou parada no tempo e já está a preparar um regresso do modelo, nome de código 992. As primeiras imagens começam a surgir e a nova máquina promete.

A revista britânica CAR Magazine partilhou algumas das fotografias no Twitter e é possível perceber que apesar do design continuar semelhante ao original, a linha da cauda está mais leve, à imagem do que a marca alemã fez com o Panamera Gran Tourer e o novo SUV Macan. Na frente, o pára-choques e as grelhas vão ser maiores e mais largas. Mantém-se o estilo desportivo e ao mesmo tempo clássico.

No mesmo dia, a revista norte-americana AutoCar revelou novos detalhes sobre o Porsche 911 2019: terá um motor turbo com seis cilindros. A versão GT3 vai ter 500 cavalos, enquanto as versões Carrera vão ter mais 11 e 15 cavalos do que os modelos anteriores. A versão atual tem 364 cv, enquanto a S tem 414cv, respetivamente. Os Porsche 911 Carrera vão ter, portanto, 375 e 429 cavalos.

Já a versão Turbo S vai ser híbrida. A parte movida a eletricidade vai ter uns impressionantes 136 cv, enquanto, no total, motor vai ultrapassar a marca dos 700 cavalos. Vai ser, ao que tudo indica, o Porsche 911 mais potente da história. Este último, no entanto, só estará disponível em 2020.

No interior, o painel de instrumentos mantém o velocímetro ao centro, mas o resto já deverá introduzir novas tecnologias digitais, ainda por revelar.

Segundo a Autocar, os novos Porsche 911 serão apresentados durante o LA Autoshow, que decorre de 30 novembro a 9 de dezembro de 2018, sendo que os modelos só estarão disponíveis a partir de 2019 – à exceção, claro, do Porsche 911 Turbo S.

Outros artigos de Máquinas

Últimos artigos da 4MEN

Queremos ser seu amigo no Facebook. Pode ser?